Espelho, espelho meu, me diga quem sou eu?

Por Célio Manfré Filho · 6 de julho de 2021

Ei, você aí. Sim, você mesmo! Já se olhou no espelho hoje?

Olhar-se no espelho nem sempre é uma tarefa fácil, ainda mais em uma sociedade que supervaloriza a aparência e constantemente estimula homens e mulheres a se encaixarem em padrões cada vez mais distantes do mundo real.

Ver a própria imagem refletida no espelho, muita das vezes gera um misto de emoções. Ali, não apenas nos enxergamos como somos, mas também podemos ver o que os outros nos contam que deveria estar refletido no espelho, gerando por inúmeros momentos, sentimentos de insatisfação e depreciação de si mesmo.

Essa cobrança pela “perfeição” é intensamente propagada pela mídia, e claramente observada nas redes sociais, afinal, quem nunca achou a vida monótona ao comparar seu dia a dia com a “vida encantada” de outras pessoas no Instagram?

Foto: https://unsplash.com/photos/Oh81uk8CoEA

Pois é, na internet a vida é sempre perfeita. As viagens são constantes, os cenários são incríveis e o riso é garantido. E a pele? No “mundo mágico” do Instagram não existe acne, poros,  cicatrizes e muitos menos olheiras. Para isso existem infinitos aplicativos e filtros de edição de imagem, todos prontos para afinar, clarear e “embelezar” os internautas. Mas você já parou para pensar como as redes sociais e os filtros de edição de imagem afetam a sua visão de si mesmo?   

Essa foi a pergunta norteadora que motivou um dos projetos de formação do curso de Multiplicadores do Programa EducaMidia deste ano, um programa do Instituto Palavra Aberta com o apoio do Google.org, que foi criado para capacitar professores e organizações de ensino, além de engajar a sociedade no processo de educação midiática.

Pensado inicialmente para o Ensino Fundamental II, o professor Célio, super parceiro do Amplifica, desenvolveu o projeto que busca, através da arte, abordar de forma reflexiva sobre os perigos da exposição excessiva nas redes sociais, além de chamar a atenção para os efeitos nocivos dessas redes para a autoimagem das pessoas.

No decorrer do projeto, os alunos passaram por momentos de apreciação, contextualização e produção artística, onde através de selfies e autorretratos puderam entender que em meio a filtros e aplicativos, o importante mesmo é abraçar e aceitar a individualidade de cada ser humano, afinal, bonito mesmo é ser de verdade.

Confira aqui o Projeto Espelho, Espelho Meu, me Diga quem Sou Eu?

E que tal conhecer o nosso autor, Célio, que conta neste vídeo a ideia do projeto. 

Mas e aí, já se olhou no espelho hoje? Ainda não?  Então corre lá e olhe com atenção.

Observe cada detalhe do seu rosto, as marcas de sua pele e a cor dos seus olhos. Perceba que são essas diferenças que te tornam um ser humano único e digno de ser compreendido(a), amado(a), visto(a)… e isso começa com você!   

conheça o autor

Célio Manfré Filho

"Não estamos nessa caminhada apenas para ensinar currículo, mas contribuir com a formação de seres humanos completos, que respeitam e possuem empatia uns pelos outros."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

veja mais

artigos

Como usar o modelo Octalysis para engajar seus alunos na sua sala de aula

28 de junho de 2022 . Por Eduardo Aquino

“Gamificação é a arte de extrair toda diversão e os elementos engajantes dos jogos e aplicá-los em atividades produtivas do […]

Saiba mais

Estratégias de Gamificação para o engajamento dos alunos em sala de aula

23 de junho de 2022 . Por Carla Arena

“Educação não transforma o mundo. Educação muda as pessoas. Pessoas transformam o mundo” – Paulo Freire Nossa, estamos finalizando o […]

Saiba mais

Dicas de segurança online para crianças nas redes sociais

19 de maio de 2022 . Por Eduardo Aquino

Conteúdo traduzido e adaptado pelo amplifica de Muggle Teacher via Twitter. A geração atual nasceu imersa nas redes sociais, que […]

Saiba mais

2020 | Site por Oni Design de negócios

Share via
Copy link
Powered by Social Snap